Portal Nosso Meio

SG 360 Internas

Veja as tendências em marketing já comprovadas até agora em 2021

Redação

Marketing de influência, experiência do cliente, diversidade, vídeos curtos entre outros pontos são destacados nessa nova era

 

A transformação digital tem mudado os hábitos de consumo das pessoas. O uso da tecnologia tem sido o principal aliado das marcas, são com essas soluções que é possível melhorar desempenho, ampliar seu alcance e otimizar os resultados. “Para isso, é necessário aplicar essa evolução na gestão nos negócios, principalmente nas operações de comunicação e marketing das empresas”, explica Carlos Costa, diretor executivo da Agência Ecco.

 

Para auxiliar as marcas a garantir esse sucesso, o diretor executivo aponta quais as tendências e soluções de marketing que já provaram ser sucesso em 2021 até agora.

 

Genu Influenciadores

Apontada pela WGSN, empresa de previsão de tendências, o imprescindível dar um novo sentido ao trabalho do marketing de influência e reconstruí-lo de uma forma mais genuína, diversa e sintonizada com a realidade. Para as empresas, isso significa um cuidado e atenção dobrados ao escolher com que influenciador associar sua marca e produto.

 

Foco na experiência do cliente

Segundo o levantamento da The CMO Survey, da Salesforce, 84% dos clientes dizem que a experiência que uma empresa oferece é tão importante quanto seus produtos e serviços. O foco na experiência do cliente também passa pelo uso de tecnologias que facilitam a jornada de compra, como realidade aumentada.

 

Diversidade na comunicação e marketing

Pode parecer que esse é um assunto passageiro, mas as pesquisas apontam o contrário: 80% dos consumidores esperam mais diversidade e representatividade em campanhas publicitárias, revelou a Visual GPS, da Getty Images com a YouGov. E quando falamos em uma comunicação mais inclusiva, não se restringe a incluir diferentes etnias, origens e aparências nas campanhas publicitárias. Afinal, 60% dos entrevistados preferem comprar de companhias que foram fundadas ou sejam representadas por pessoas como elas. Isso é ainda mais latente para os consumidores da geração Z, especialmente as mulheres.

 

Empatia e honestidade 

A empatia parece ser mais relevante do que nunca: não basta mais parecer verdadeiro, tem que ser verdadeiro. Isso vale para um shooting, um publi ou qualquer outra campanha.

 

Slow content

A valorização dos momentos off-line traz junto mais um ponto de atenção: quem continua conectado tem mudado de comportamento. A enxurrada de fake news tornou as pessoas mais seletivas, o que pode ser um indício de que o Fomo (fear of missing out) esteja perdendo fôlego para uma opção de consumo de menos conteúdo, porém com mais profundidade e densidade. Click baits e engajamentos oportunistas que pegam carona em algoritmos não vão mais convencer sua audiência.

 

Videos curtos

Se o Tiktok, a plataforma chinesa de vídeo de formato reduzido, ainda não entrou nos planejamentos da sua marca, é bom ficar atento. O app teve um crescimento exponencial em 2020, atingindo a marca de 2 bilhões de downloads. Boa parte do sucesso é atribuído às medidas de distanciamento social, mas também devido à popularidade crescente de vídeos curtos. Os consumidores desejam que as informações sejam rápidas, envolventes e fáceis de consumir, e esse formato preenche todas essas lacunas.

 

Humanização no atendimento 

O desemprego sem dúvidas está no rol dos efeitos da pandemia. Mas o ditado “enquanto uns choram, outros vendem lenços” continua valendo. Não é surpresa que boa parte do segredo dos pequenos negócios é a forma pessoal e personalizada do atendimento e atenção direcionada para cada cliente, mantendo um relacionamento mais próximo. Para as grandes marcas, este nível de proximidade e humanização é um desafio diário frente ao público.

 

Segundo Thomaz Urso, diretor de criação da agência G Marketing Comunicação, era natural que a relação entre consumidores e marcas se tornasse cada vez mais digital e, com a pandemia, algumas etapas foram aceleradas como soluções para dificuldades. “Mas, agora que o mundo pede um maior senso de coletividade, as marcas devem enfatizar o aspecto humano nas relações. Assim, é preciso clareza de quais são os valores e qual o papel da marca na sociedade. Por que as pessoas se relacionam com a marca? Ao responder, iremos encontrar esse ‘elo humano’, fundamental para o que vamos enfrentar daqui por diante”, conta.

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp